Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Comichão do Pensamento

Comichão do Pensamento

De vez em quando largo aqui algumas comichões que tendem a corroer-me por dentro Se gostas do que leste não hesites em comentar :)

Flores Ensanguentadas

 Um dia chegaste a casa e disseste-me do nada que as flores já não tinham o mesmo cheiro.

 Respondi-te a verdade, todos os dias desde que as temos as rego da mesma forma, nem uma gota a menos nem uma gota a mais.

 Depois começaste a dirigir-te para mim de forma diferente, às vezes acho que não estavas pronta para cuidar das flores, foi a frase com que me atiraste que se cravou no meu coração como um espinho no dedo.

 Daí em diante o sangue jorrou cada vez mais, as flores ficaram vermelhas e as palavras cinzentas.

 Não mais me acho capaz de suportar o preto e branco quando me acostumaste ao arco-íris, não mais aguento o cheiro do que é podre e só mais podre fica com o passar do tempo, quando me habituaste ao perfume das flores.

 Um dia, de súbito e sem aviso, senti uma picada no peito. Sem reparares espreitei para dentro, à procura de males possíveis, e vi, ali cravado no meu coração, o teu espinho, agora já desaparecido, tudo o que restava era sangue e mais sangue.

 Não resta mais nada que vermelhidão e dor, viremo-nos para onde nos virarmos deixamos pegadas de sangue, a poça vai já tão grande estendida entre nós, no chão, nas paredes, no tecto, em nós.

 Deixei de te conseguir ver por baixo de tanto podre, nem sei se ainda aí estás, chamo o teu nome em agonia mas não me apareces, tudo o que os meus olhos me mostram são o horror, o assassínio que se deu em nós.

 Sentas-te com toda a calma, de olhos pousados no chão quando costumavam deitar-se em mim.

 Sinto-te tão longe mas sei que observas cada movimento que faço, ergo a mão do regador, mas o sangue escorre-me cada vez com mais velocidade pelo braço abaixo.

 Tremem-me os dedos, já mal se seguram, não sei quanto mais tempo aguento, não sei quanto mais sangue me resta, não sei se consigo recuperar da agonia que o vermelho me traz.

 Não sei quantas mais flores conseguirei salvar, acima de tudo e de mais importância, não sei se ainda queres que as salve.